A evolução tecnológica está em todos os locais, sabendo disso e pensando em facilitar o trabalho das agentes comunitárias de saúde principalmente neste momento de pandemia a administração municipal de Cristal do Sul, secretaria municipal de saúde e Estratégia Saúde da Família (ESF) na quarta-feira dia 01 de julho fez oficialmente a entrega de sete tablet da marca Positivo para os agentes comunitários de Saúde e um Tablet para a enfermeira, técnica e médico do ESF de cristal do Sul.

Com o equipamento os profissionais de saúde deixam de usar as tradicionais pranchetas e planilhas e iniciam uma nova fase de trabalho, passando a preencher os dados dos pacientes direto no sistema, com mais agilidade e confiabilidade.

            Com a utilização da nova ferramenta os agentes poderão coletar as informações em tempo real, com mais qualidade nos serviços, contribuindo no acompanhamento dos atendidos, uma vez que os dados estarão integrados ao E-SUS, Ministério da Saúde e Secretaria Municipal de Saúde.

            Após receberem a nova ferramenta de trabalho os profissionais receberam um treinamento sobre o sistema e já começaram a usar a tecnologia nas visitas domiciliares junto às famílias atendidas.

Quem coordenou os trabalhos foi a enfermeira do ESF Patrícia Zadinello de Vargas, que agradeceu a Administração Municipal pela aquisição dos Tablets, e reforçou, “através do Aplicativo E-SUS AB Território o trabalho do Agente Comunitário de Saúde poderá ser acompanhado em tempo real pelos gestores, auxiliando nos processos de resolutividades de saúde. A aquisição desses equipamentos nesse momento de Pandemia, vem valorizar o trabalho do Agente Comunitário de Saúde, agilizando e integrando com qualidade a informação colhida na família, bem como, nas Televisita, onde o Agente Comunitário de Saúde monitora via o telefone os casos suspeitos e confirmados de Covid-19, ofertando orientações e apoio emocional nesse período, assim como, televistas para os pacientes que necessitam um maior acompanhamento nesse momento, evitando o contato direto com os mesmos e não deixando de manter o nosso vínculo ESF-Paciente” finalizou a enfermeira.

O prefeito Cezar de Pelegrin esteve presente e enalteceu este momento, “quero parabenizar todos os agentes de saúde, e demais profissionais da secretaria municipal de saúde, graças ao trabalho de cada um somos referência em saúde no estado. Com a informatização será possível avançar ainda mais na organização dos serviços feitos pelo agente comunitário de saúde, vamos ter um sistema de registro com mais dados e ter maior conhecimento das famílias do nosso município através da análise dos dados coletados pelo agente. Assim poderemos tomar decisões cada vez mais acertadas, para melhorar e agir preventivamente, sempre pensando no bem estar de cada família” frisou Pelegrin.

Também esteve presente a secretária de Saúde Adriana Márcia de Pelegrin, Técnica de Enfermagem do ESF Carla Denise da Cruz de Oliveira, e a Estagiaria Do Curso de Graduação em Enfermagem da URI-FW, Eveline Bonatti.

 

Levi de Oliveira













O pedestre que foi atropelado na noite desta terça-feira dia 30 de junho na ERS 587 não resistiu aos ferimentos e veio a óbito a caminho do Hospital São Vicente de Paulo de Passo Fundo.

O mesmo foi identificado como Domingo Valdir dos Santos e morava na Linha Fátima no interior do município.



 

Na noite desta terça-feira dia 30 de Junho por volta das 18h e 30min., foi registrado um atropelamento na ERS 587 na Entrada Principal da cidade.

Segundo informações apuradas no local o pedestre D. V. dos S. adentrou na pista quando foi atingido por um veículo Toyota Corolla que transitava no sentido Cristal do Sul a Seberi.

 

A equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionada e prestou os primeiros socorros no local e levando até o Hospital São Jose de Rodeio Bonito.

O estado é considerado Gravíssimo e aguarda vaga em uma Unidade de terapia intensiva (UTI) para ser transferido.

O condutor do Corolla não se feriu.

A ocorrência foi atendida pela Policia Estadual de Palmeira das Missões.

 

Levi de Oliveira





As regiões Celeiro/RS e AMZOP/RS, componentes da R15 e R20 Região COVID de Palmeira das Missões, foram severamente atingidas em vista dos dados constantes dos últimos boletins epidemiológicos do COE e do Governo Estadual, pois restou evidenciado haver disparidades e informações conflitantes com aqueles produzidos no âmbito local.

Tal situação, aliada a outras questões pontuais que requerem aprofundado exame, provocaram a alteração da Bandeira Laranja para a Vermelha. Os Municípios da região da AMUCELEIRO E AMZOP, com as informações colhidas e devidamente atualizadas nesta data, e em virtude da complexidade que envolve as consequências danosas de uma bandeira vermelha, conforme decreto estadual, requerem seja reavaliada a situação dos cálculos dos itens que seguem para revisão, eis que muitos dados não estão incluídos no sistema, gerando prejuízo inestimável a toda uma região e a centenas de milhares de habitantes.

A revisão dos referidos cálculos, com os dados que estão sendo encaminhados neste momento, é medida de urgência que se impõe, pois efetivamente está ocorrendo incompatibilidade flagrante de números, com resultados conflitantes e desfavoráveis a toda região COVID.

Essa questão precisa ser corrigida com a máxima brevidade, para restabelecer a situação anteriormente existente da bandeira laranja, pois não houve qualquer alteração significativa que autorizasse o agravamento da pandemia, que está sob absoluto controle das autoridades municipais.

Assim, em caráter de URGÊNCIA, tendo em vista os graves efeitos provocados pela mudança da coloração da bandeira para vermelho, os entes municipais e as Associações AMUCELEIRO e AMZOP, requerem a análise dos dados, a revisão dos itens pertinentes e reconsideração geral sobre a incidência dos ajustes na bandeira, pois os municípios atingidos podem entrar em colapso social e econômico no curto prazo.

Os Municípios e seus administradores entendem, como ninguém, a necessidade de preservação da vida e da saúde. Contudo, também conhecem a dinâmica social e econômica de cada comunidade, responsável pela sobrevivência de cada cidadão e de cada conjunto familiar.

A obrigação é de preservar vidas, com as duas grandezas a serem compatibilizadas, quais sejam, ações em saúde, no combate ao coronavirus, e a manutenção da própria sobrevivência das pessoas. As eventuais alterações e ajustes devem ser precedidos de definições de natureza técnica, não apenas política, inobstante as dificuldades para tais mudanças.

Desta forma, os Municípios da AMUCELEIRO e da AMZOP necessitam e requerem seja realizada a avaliação dos dados que estão sendo remetidos, devidamente repassados às entidades regionais nesta data, por intermédio de Prefeitos e Prefeitas, bem como por seus secretários(as) de saúde, com a apresentação dos dados qualitativos e quantitativos da epidemia na região.

Assim, mais uma vez, requerem o acolhimento dos termos apresentados e o acolhimento do presente recurso, com a finalidade de reversão da bandeira vermelha, para o retorno da Laranja, com base em dados e na observância dos critérios técnicos do decreto estadual.

Respeitosamente, Todos os municípios de integram a Região.

 

José Arno Ferrari/Presidente AMZOP


 

 

 

    O Prefeito Municipal de Cristal do Sul Cézar de Pelegrin preocupado com a prevenção ao Covid-19 no município e a divulgação por parte do Governador do Estado Eduardo Leite do novo mapa do Modelo de Distanciamento Controlado do Rio Grande do Sul que enquadrou a região e consequentemente Cristal do Sul na bandeira vermelha e isso prevê restrições quanto ao funcionamento do comércio na região e no município.

   Na manhã deste domingo dia 21 de junho o prefeito Pelegrin realizou reunião no centro administrativo para discutir e deixar claro que a administração Municipal não concorda com a inclusão do Município na classificação de bandeira vermelha e juntamente com o procurador do Município Dr. Casemiro Milani formularam documentação que será encaminha ao Estado para que seja feita a retirada de Cristal do Sul da classificação de Bandeira Vermelha, justificando que o único caso registrado é de um Cristalense que é motorista de caminhão e trabalha em uma empresa na cidade de Chapecó Santa Catarina e no período que contraiu a doença não esteve no município, pois estava viajando e hoje o mesmo já está curado da doença e continua com as suas atividades na empresa de transporte rodoviário de Chapecó Santa Catarina e nas últimas semanas Cristal do Sul não teve nenhum caso e não houve internações de pessoas do município de cristal do Sul com o vírus.

   O recurso administrativo será impetrado juntamente com os demais municípios que compõe a AMZOP E AMUCELEIRO.


Confira o último boletim divulgado pela Secretaria de saúde e Vigilância epidemiológica do município👇 


Texto : Levi de Oliveira




Texto seguinte: Suzy Scarton e equipe Seplag

Edição: Marcelo Flach/Secom

 

 

 ENTENDA O QUE MUDA COM A BANDEIRA VERMELHA

 


 

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Redução no teto de operação (número máximo permitido de trabalhadores presentes ao mesmo tempo no ambiente de trabalho, aplicado a serviços com quatro ou mais trabalhadores) dos serviços públicos não essenciais, restrito a 25% dos trabalhadores.

Serviço de habilitação de condutores com operação restrita a apenas 50% dos trabalhadores.

Serviços públicos essenciais, como segurança e manutenção de ordem pública, política e administração do trânsito, bem como atividades de fiscalização e inspeção sanitária, não têm a operação afetada com a bandeira vermelha.

 

AGROPECUÁRIA

Produção e serviços relacionados à agricultura, pecuária e produção florestal sofrem redução no teto de operação a 50% dos trabalhadores.

 

ALOJAMENTO E ALIMENTAÇÃO

Restaurantes, padarias e lanchonetes deixam de operar na modalidade presencial, ofertando serviços apenas por meio de tele-entrega, pegue e leve ou drive-thru.

Hotéis, por sua vez, passam a operar com apenas 40% dos quartos disponíveis.

 

COMÉRCIO

Na bandeira vermelha, o comércio de rua e em centros comerciais ou shopping é suspenso, e os estabelecimentos devem ficar fechados. O mesmo ocorre para o comércio de veículos.

Somente poderão operar estabelecimentos que comercializem itens essenciais, como medicamentos, produtos de higiene pessoal, alimentação e transporte. Mesmo assim, farmácias, supermercados e postos de gasolina têm operação reduzida a 50% dos trabalhadores.

Serviços de manutenção e reparação de veículos automotores passam a operar com apenas 25% dos trabalhadores.

Comércio atacadista de itens não essenciais deixa de atender na modalidade presencial. O teto de operação é reduzido a 25% dos trabalhadores, com atendimento exclusivo via tele-entrega, pegue e leve ou drive-thru.

 

EDUCAÇÃO

A partir do dia 15 de junho, algumas atividades de ensino serão retomadas nas bandeiras laranja e amarela. Na bandeira vermelha, portanto, as atividades de cursos livres ficam suspensas. Nas universidades, somente são mantidas em funcionamento na bandeira vermelha as atividades de laboratório necessárias à manutenção de seres vivos. Demais atividades de ensino seguem na modalidade remota, exclusivamente.

 

INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

Construção de edifícios, obras de infraestrutura e serviços de construção, por serem considerados essenciais, sofrem apenas redução na operação, passando de 100% para 75% dos trabalhadores na bandeira vermelha.

 

INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E EXTRATIVA

Passam a operar com apenas 50% dos trabalhadores, à exceção das consideradas essenciais, como alimentação, bebidas, fármacos e de extração de petróleo e minerais, que têm o teto reduzido de 100% para 75% de trabalhadores.

Para atender a essa restrição no total de trabalhadores presentes ao mesmo tempo no estabelecimento, sugere-se que, além do teletrabalho, as indústrias adotem regimes de escala, rodízio e/ou turnos alternativos para a manutenção da produção.

 

SAÚDE

No campo da saúde, vital ao enfrentamento da pandemia, os serviços não são afetados. No entanto, recomenda-se a postergação de consultas eletivas.

Serviços de veterinária, porém, têm a atividade reduzida para 50% dos trabalhadores.

 

SERVIÇOS

Com a bandeira vermelha, ficam fechadas todas as atividades relacionadas à arte, cultura e lazer, incluindo academias de ginástica, clubes sociais e esportivos.

Ficam vedadas também as atividades de captação de áudio e vídeo em teatros e casas de espetáculo, de empréstimo e consulta de itens em museus, bibliotecas e acervos, bem como os ateliês de arte, os quais recentemente foram liberadas nas bandeiras amarela e laranja em teatros.

Parques, jardins botânicos e zoológicos são fechados para atendimento ao público, sendo permitida a operação de 50% dos trabalhadores para manutenção dos espaços e seres vivos.

Serviços religiosos em templos igrejas e similares ficam fechados, não podendo receber o público de fiéis. No entanto, segue sendo permitida a captação de áudio e vídeo dos serviços religiosos, como missas.

Serviços de higiene pessoal (cabeleireiro e barbeiro) não podem abrir na bandeira vermelha, assim como agências de viagens.

Serviços de imobiliários, de consultora e administrativos passam a atender somente via teleatendimento, com no máximo 25% dos trabalhadores presentes no estabelecimento.

Serviços bancários e de advocacia permanecem com atendimento presencial restrito, com no máximo 50% dos trabalhadores.

Por fim, serviços de lavanderia e de reparo e de manutenção de objetos, considerados essenciais, permanecem abertos aos clientes, mas com teto de operação reduzido a 25% dos trabalhadores.

 

SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

Serviços de edição e edição integrada à mídia impressa, bem como de produção de vídeos e programas de televisão, seguem autorizados a funcionar, com teto de operação reduzido a 50% dos trabalhadores. A atividade de rádio e televisão, porém, não sofre alteração, seguindo com operação de 75% dos funcionários.

 

SERVIÇOS DE UTILIDADE PÚBLICA

Serviços de utilidade pública não sofrem alteração na operação com a vigência da bandeira vermelha, dado sua essencialidade. Seguem atuando com 100% dos trabalhadores.

No entanto, mesmo com 100% de operação permitida, esses estabelecimentos devem respeitar o número máximo de pessoas por ambiente permitido com o distanciamento mínimo obrigatório entre pessoas, isto é, respeitar o teto de ocupação.

Em escritórios pequenos, o limite de ocupação de um ambiente pode levar a um estabelecimento ter menos trabalhadores atuando presencialmente de forma simultânea, mesmo com a operação de 100% autorizada.

 

TRANSPORTES

O transporte de passageiros passa a operar com apenas 50% dos assentos da janela disponíveis. Sendo ambiente de aglomeração e propenso à disseminação do vírus, esse protocolo de operação deve ser estritamente respeitado nas bandeiras de maior risco.