Para a CNM, os mandatários nas cidades terão as gestões afetadas e serão penalizados

Centenas de prefeitos se reuniram no último dia 27, no Seminário Novos Gestores, em Brasília, para debater as pautas e reivindicações que devem apresentar a partir de 2017. Antes mesmo de iniciarem seus mandatos, o clima é de incerteza por conta da eminente aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241, que congela gastos públicos pelos próximos 20 anos. "Terá reflexos no cotidiano da população. Os serviços públicos municipais certamente ficarão comprometidos. O pacto federativo já é muito desigual, os municípios ficam com a menor parte da receita e com as maiores responsabilidades. Isso preocupa", afirma Marco Cesar (PR), prefeito eleito na cidade de Casa Branca, na região noroeste de São Paulo.
Para o presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Paulo Ziulkoski, os mandatários eleitos nas cidades terão as gestões afetadas e serão penalizados, juntos com os cidadãos, indevidamente. "Esse remédio para salvar a economia e fazer o ajuste poderá matar o paciente. O efeito, principalmente nas prefeituras, que estão junto ao cidadão, é extremamente grave. De onde vai sair dinheiro para se falar, por exemplo, em creche, ou atender o saneamento? Esses prefeitos eleitos vão pagar o pato".
Até mesmo o peemedebista Wellington Moraes, de Sarapuí, com 10 mil habitantes, no interior de São Paulo, está dividido e preocupado com a PEC. "Eu não vejo como vamos direcionar os recursos no decorrer dos anos. O PMDB está tentando fazer o necessário para que possa funcionar, mas eu fico preocupado".
O presidente da CNM diz ainda que as preocupações foram levadas ao Palácio do Planalto e também ao Congresso Nacional, mas os parlamentares não ficaram sensibilizados. Por isso, ele acredita que, apesar de ainda haver mais dois turnos de análise da PEC 241 no Senado, o diálogo já está encerrado. "O governo está passando como um trator por cima de tudo, ninguém vai dar ouvidos".
 Fonte Abraço RS.
As informações são do site da CUT

Postar um comentário:

0 comments: